Segunda-feira - Manaus - 17 de junho de 2019 - 12:54

MANAUS-AM

Ação integrada busca espaço para índios Warao

A proposta que está sendo construída aponta para que um só local possa abrigá-los e diminuir custos

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 14 de abril - 08:24

Na próxima semana mais locais serão visitados e avaliados pelos representantes das instituições envolvidas.

Foto: Divulgação

Mais uma ação integrada entre Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc); Prefeitura de Manaus através da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc); e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) foi colocada em prática neste sábado, 13/04:  a busca por espaço para os índios venezuelanos da etnia warao. Catorze integrantes dessas instituições visitaram três locais.

O primeiro local visitado foi a sede do Instituto Novo Mundo, localizado no km 53, da estrada AM-010 (Manaus-Itacoatiara). O segundo foi uma quadra de uma escola de samba que fica no conjunto Nova Cidade, na zona Norte, e o último da programação foi um depósito que funciona na Avenida Torquato Tapajós, zona Centro-Sul.

Atualmente, 448 indígenas dessa etnia estão acolhidos nos abrigos dos bairros Alfredo Nascimento, na zona Norte, e na Praça 14 de Janeiro, zona Sul.  A proposta que está sendo construída aponta para que um só local possa abrigá-los e diminuir custos, além de concentrar esforços para oferecer um local que esteja próximo ao modo de vida deles.

“Depois de várias reuniões sobre essa pauta, estamos junto com a Semasc tentando encontrar alternativas para os warao oferecendo um abrigo onde eles possam desenvolver trabalhos de plantio, pesca, artesanato e outras atividades que gostam e que possam ser também uma forma de sustento”, explicou a titular da Seas, Márcia de Souza Sahdo.

Para a secretária da Semasc, Conceição Sampaio, a parceria entre Governo do Estado e Prefeitura de Manaus tem surtido bons resultados, mas a situação na Venezuela está cada vez mais delicada, o que exige medidas acertadas em conjunto.

“São dias difíceis, mas mesmo assim numa ação humanitária e integrada, estamos fazendo a nossa parte enquanto Estado, embora esse também seja um problema que envolva o Governo Federal. Estamos em busca desse espaço para que possamos desenvolver uma ação bem assertiva, que realmente ajude os warao”.

Na próxima semana mais locais serão visitados e avaliados pelos representantes das instituições envolvidas.