Terça-feira - Manaus - 25 de junho de 2019 - 00:41

ESPORTES

A jogadora que saiu da depressão ao hat-trick na Copa do Mundo

Cristiane também se queixava da diferença entre o tratamento reservado pela CBF para suas equipes de homens e aquele conferido às de mulheres (diárias pagas a atletas, premiações, uniformes)

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 10 de junho - 09:38

Jogadora chegou a abandonar o futebol recentemente

Foto: CBF

A jogadora Cristiane Rozeira de 34 anos foi o grande nome na vitória do Brasil contra a Jamaica, na estreia da Copa do Mundo de futebol feminino, neste domingo (9). A atacante marcou todos os três gols da partida e levou o time à liderança do grupo C. O Brasil está à frente da Itália. 

A artilheira, que neste ano assinou contrato com o São Paulo, é de Osasco (SP), e, em razão de algumas lesões, havia ficado de fora de decisões importantes desde abril de 2018, quando participou da Copa América. Ela também possui experiência no futebol internacional, com passagem em times da Alemanha, França e China.

Além disso, Cristiane tem no currículo um grande saldo de gols em Olimpíadas. Só em 2016, por exemplo, ela balançou as redes 16 vezes, se tornando a maior artilheira do futebol em Olimpíadas.

Ao lado de Marta, que já foi eleita a melhor do mundo por seis vezes, ela vem se destacando como uma das principais atletas nacionais, e, inclusive, já quase conquistou alguns desses títulos arrebatadas por Marta, ao ser eleita a terceira melhor do mundo em 2007 e 2008.

Vice-campeã do mundo em 2007 e vice olímpica por duas vezes (além de maior artilheira da história dos Jogos), Cristiane disputa sua quinta Copa.

Após a brilhante estreia contra a Jamaica, a seleção brasileira volta a campo na quinta-feira (13), às 13h no horário de Brasília, contra a Austrália. 

Lesões eram preocupação

Por causa de uma sequência de lesões, ela não era escalada para defender a equipe nacional desde a Copa América, em abril de 2018, quando as brasileiras conquistaram seu sétimo título. Ela chegou a anunciar sua aposentadoria da seleção, em protesto pela demissão da técnica Emily Lima, a primeira mulher a comandar o time feminino.

Cristiane também se queixava da diferença entre o tratamento reservado pela CBF para suas equipes de homens e aquele conferido às de mulheres (diárias pagas a atletas, premiações, uniformes).

O atual técnico Vadão elogiou o desempenho da atleta. "Sempre confiei muito nela, esperamos até o último momento. Em Portugal [onde a equipe fez uma aclimatação de 15 dias antes de seguir para a França], foi poupada duas ou três vezes. Dentro da área, ela é uma das maiores do mundo".


TH VIDEO