Segunda-feira - Manaus - 18 de março de 2019 - 09:59

MANAUS-AM

Aluno do IEA ameaça atirar em colegas e causa pânico em escola de Manaus

Um adolescente de 17 anos foi conduzido para a Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai)

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 14 de março - 12:19

Alguns pais levaram os filhos chorando da escola com medo de algo pior acontecesse

Foto: Divulgação

Um dia depois da tragedia em Suzano (SP), um aluno do segundo ano do Ensino Médio do Instituto de Educação do Amazonas (IEA), ameaçou cometer um atentado semelhante na escola do Centro de Manaus. A ameaça gerou medo e desespero nos outros estudantes e a Polícia Militar foi acionada para apurar o ocorrido na unidade de ensino. O jovem foi levado à Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai).

Alguns pais levaram os filhos chorando da escola com medo de algo pior acontecesse. Com a notícia viralizada nas redes sociais, muitos pais chegavam a todo instante na escola em busca de notícias.

A polícia foi acionada e apreendeu o aluno que compartilhou as mensagens. O conteúdo tinha ameaças semelhantes do atentado à escola Raul Brasil, em Suzano (SP), onde 10 pessoas morreram, entre alunos e funcionários, além dos assassinos que se mataram em seguida.

Segundo o tenente Ribeiro, da 24ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), um adolescente de 17 anos foi conduzido para a Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai) por ameaçar os colegas. O policial não confirmou que outro adolescente estava envolvido na ameaça.

Ao jornal Extra, a Seduc classificou a atitude dos jovens como um caso isolado, "ocorrido de forma atípica" e ressaltou que não houve concretização de nenhum ato violento. Uma reunião será realizada no próximo sábado com gestores e professores, também os de outras unidades, para realinhar medidas de segurança, "tendo como foco reforçar as orientações para todo o corpo escolar, incluindo agentes de portaria".

"A Seduc-AM ressalta, ainda, que tem como prioridade em conjunto com os gestores pautar pelo maior controle do acesso à escola tanto em relação aos alunos quanto de pais e responsáveis. Além disso, a Seduc-AM tem reforçado a necessidade de contato direto com as Companhias Interativas Comunitárias (Cicoms), que dão suporte no atendimento e presença dos policiais na área externa da escola", afirmou a pasta.