Quarta-feira - Manaus - 21 de agosto de 2019 - 18:26

MANAUS-AM

Capela da Santa Casa de Misericórdia será restaurada

Graças ao patrocínio de um católico anônimo, a capela Santa Ana será reformada para voltar a receber os fiéis de forma mais confortável nas missas dominicais 

THIAGO FERNANDO

Publicado em 19 de julho - 08:29

Por muitos anos, a Capela Santa Ana, instalada na Santa Casa de Misericórdia, na rua 10 de Julho, Centro, foi ponto de atração de fiéis que rogavam por ajuda divina para as dificuldades do dia a dia ou por um milagre para os entes queridos internados no histórico hospital. Reaberta desde setembro do ano passado após autorização judicial, o local recebeu uma boa notícia nesta semana. De acordo com a administração da Paróquia São Sebastião, responsável pela capela, um fiel, que preferiu não ter o nome divulgado, decidiu arcar com a restauração do templo.

O espaço foi inaugurado em 1o de março de 1903 para ser utilizado como necrotério da Santa Casa. Porém, em 1922, o local foi readaptado para funcionar como templo religioso. De lá para cá, virou tradicional em Manaus.

Após o fechamento da Santa Casa de Misericórdia, em 2004, o local ficou abandonado até o ano passado, quando o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) aprovou a utilização do espaço pela Igreja Católica. Assim, missas dominicais voltaram a acontecer às 10h, mesmo que de forma improvisada.

Para ajudar na restauração, o Frei Sebastião Fernandes Filho convocou o ex-secretário de Cultura, Robério Braga. Com mais de 20 anos à frente da SEC, ele informou que o processo é bastante trabalhoso, pois o tempo causou graves danos à estrutura, que é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

“Vou ajudar a fazer o projeto de restauro, que é um processo complicado, lento e difícil. Precisamos de muita pesquisa histórica e fotográfica  A capela antiga de Santa Ana tem imagens que precisam ser restauradas como eram originalmente. Trata-se de um belo exemplar arquitetônico no Centro histórico e que está sendo salvo pela sociedade. Inclusive, com a obra financiada por particular que espontaneamente se interessou em fazer”, disse Robério.

“Sempre fui defensor e trabalhei para recuperar áreas do patrimônio histórico e vou colaborar para isso como cidadão e manauense. Muitos imóveis merecem uma reforma como o Hotel Cassino e Cabaré Chinelo e os prédios que ficam na Joaquim Nabuco”, finalizou.

Equipe à frente do restauto visitou o espaço nesta semana

FONTE: Fotos: Divulgação