Domingo - Manaus - 24 de janeiro de 2021 - 20:23

MANAUS-AM

Covid-19: pacientes do AM podem ser transportados para outros estados

Os deslocamentos ocorrem em meio a um colapso na distribuição de oxigênio no Amazonas, principalmente, em Manaus.

SIGRID AVELINO

Publicado em 14 de janeiro - 13:33

Grupos podem ir para os estados de Goiás, Piauí, Maranhão, Brasília, Paraíba e Rio Grande do Norte

Foto: Michael Dantas/AFP

O Amazonas abriu um Plano de Cooperação com outros estados para transportar pacientes considerados moderados para tratamento em outros estados, na primeira fase, serão encaminhados para Goiás. A informação foi dada pelo governo do Estado, na manhã desta quinta-feira, 14/1, durante a divulgação de ações do Comitê de Resposta Rápida de Enfrentamento à Covid-19. Num primeiro momento, de 235 pacientes acometidos pela Covid-19 em Manaus, cujos quadros clínicos são considerados moderados. Os deslocamentos ocorrem em meio a um colapso na distribuição de oxigênio no Amazonas, principalmente, em Manaus.

“São pacientes que continuam dependentes de oxigênio, mas eles têm toda a segurança plena para serem transportados. O paciente do Amazonas, que subir na aeronave, terá toda a segurança e assistência, com cobertura até de assistência psicossocial para que não haja falha nenhuma. Toda a equipe médica prestada, todos voltados para o foco do paciente para que a gente tenha sucesso e que chegue no destino com toda a segurança e o acolhimento que o nosso doente tem que ter, que é o acolhimento de excelência”, destacou o coronel Franco Duarte, representante do Ministério da Saúde.

Os pacientes serão levados para o estado de Goiás. A Força Aérea Brasileira vai auxiliar na logística. Segundo o governador Wilson Lima, será montado um grupo de apoio aos pacientes e familiares, que vão se deslocar para os outros estados. 

Outros grupos podem ir para os estados do Piauí, Maranhão, Brasília, Paraíba e Rio Grande do Norte

“Quero agradecer a esses governadores que em um gesto humanitário estão estendendo a mão para que nossos pacientes possam ser acolhidos nessas regiões com o apoio necessário”, ressaltou o governador.

Oxigênio 
Hospitais como o Universitário Getúlio Vargas (HUGV), Fundação de Medicina Tropical de Manaus, e o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Galileia amanheceram sem oxigênio nesta quinta-feira, 14/01. O fato escancara o colapso na distribuição do insumo, importante para pacientes com quadros agravados pela covid-19.

Para se ter uma ideia, hoje, a demanda por oxigênio, por dia, chega a mais de 70 mil m³, e a produção na capital é de 28 mil m³ diário, a distribuição não acompanha a demanda dos hospitais e da população que faz o tratamento em casa.

Segundo o titular da secretaria da Saúde (SES), Marcellus Campelo, no pico da primeira onda, em Manaus, “nos meses de março, abril e maio, durante 30 dias, o consumo máximo diário foi de 30 mil m³ de oxigênio. Neste momento, está acima de 70 mil m³”, detalhou o secretário.

Segundo Marcellus, o comitê foi comunicado na noite desta quarta-feira, 13/01, do colapso do plano logístico de distribuição de oxigênio medicinal, o que causará uma interrupção da programação por algumas horas.