Domingo - Manaus - 31 de mai de 2020 - 12:12

MANAUS-AM

Deputada diz que vai denunciar presidente da Aleam em "todos os órgãos possíveis"

A deputada Alessandra Campelo acusou o presidente da Aleam, deputado Josué Neto, de ser "ditador" em decisões dentro da casa legislativa.

SIGRID AVELINO

Publicado em 21 de mai - 14:46

Foto: Divulgação/Aleam

Em mais um embate, a deputada Alessandra Campelo (MDB) acusou o presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (PRTB) de ser "ditador" nas decisões à frente do Legislativo e disse que vai denunciá-lo em todos os órgãos possíveis, incluindo a Organização das Nações Unidas (ONU), por considerar que o deputado desrespeita as deputadas mulheres.

Na sessão desta quinta-feira, 21/5, após mais um dia de problemas técnicos na transmissão de alguns deputados, inclusive de Alessandra Campelo, a parlamentar voltou a fazer acusações contra o presidente da Aleam. Em um dos trechos de seu pronunciamento, a deputada disse que, além de Josué manipular o microfone dela durante suas falas, desrespeita o regimento interno nos pedidos de ordem proferidos pela parlamentar e que o mesmo não é feito com alguns deputados homens. 

“Eu queria que o senhor fosse valente assim com os deputados homens, coincidentemente, o senhor só é valente com as deputadas mulheres e eu queria que o senhor me explicasse se isso é misoginia, o quê que é, qual é o ódio que o senhor tem das mulheres, porque quando a gente leva propostas da comissão da mulher o senhor concorda, o senhor apoia. Eu costumo dizer que o senhor é o deputado mais feminista, mas quando uma mulher fala alto que contraria a sua vontade política. Acabou, pronto, essas mulheres são odiadas”, desabafou.

Alessandra falou do autoritarismo de Josué e ameaçou denunciá-lo. "Eu vou lhe denunciar em todos os organismos que eu puder no planeta, até na ONU se precisar. Eu vou denunciar seu autoritarismo”.

Mais cedo ela relacionou alguns equívocos de Josué à frente da presidência no que diz respeito a não seguir a Constituição Federal, do Amazonas e o regimento interno da Assembleia Legislativa na instauração da CPI da Pandemia e na escolha dos membros para composição da comissão.

“O presidente acima de tudo quer cortar a fala dos parlamentares, impor sua vontade fora da Lei, já foi três vezes em 10 dias obrigado a obedecer ordem de outros poderes, e ele vai dizer o quê? Que o poder judiciário tá errado como ele publicou e depois, não sei por quê. Apagou ofendendo o poder judiciário? Não, é porque o poder judiciário está tendo que ser o mediador da Assembleia Legislativa, infelizmente e vergonhoso”, criticou. 

Alessandra ainda fez acusações pessoais ao presidente dizendo que as sessões plenárias da Aleam têm se transformado em uma guerra onde não importa o que a população está passando.

“Grupos de whatsapp comandados pelo presidente, de lá saem as ordens que vão para as redes sociais e se fala claramente vamos usar perfis fakes. O que é isso gente? Isso não é o poder. Josué Neto, isso aqui não é a sala da sua casa, isso aqui é o poder Legislativo, você não pode agir assim, você não pode tirar a prerrogativa de um deputado concordando ou não”, declarou.

Ao fim da fala de Alessandra, Josué pediu que se retirassem da ata da sessão plenária desta quinta-feira, 21/5, às ofensas pessoais direcionadas a ele. “Quero dizer que, todas as questões institucionais, eu mesmo farei questão de responder às acusações da deputada Alessandra Campelo. Vou pontuar todos os ataques e vou fazer disso um documento para entregar não só à deputada Alessandra Campelo como também para os deputados e para imprensa e a quem tiver interesse nisso”, disse.

 “Tudo que for institucional eu estarei fazendo um documento para responder de forma escrita ponto a ponto do qual fui acusado. O que for pessoal eu não vou fazer questão nenhuma de responder, porque as pessoalidades não são permitidas na democracia brasileira, muito menos é de interesse do povo do Amazonas", concluiu Josué Neto. 

Diferente de outros dias, a sessão terminou sem tumulto.