Quarta-feira - Manaus - 12 de agosto de 2020 - 08:38

MUNDO

Estados Unidos exigem que Palestina reconheça Israel

"Todas as partes estão de acordo que a Administração Palestina deve ter a oportunidade de assumir a plena responsabilidade pela segurança em Gaza", disse o o emissário dos EUA

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 19 de outubro

 Hamas deve aceitar essas exigências se quiser "desempenhar algum papel no governo palestino"

Foto: Divulgação

Os EUA estão apelando para o restabelecimento do controle sobre Gaza por parte da Autoridade Nacional Palestina e exigem que qualquer governo palestino reconheça Israel e assuma o compromisso de desarmar os grupos terroristas, declarou o emissário especial do presidente norte-americano Donald Trump, Jason Greenblatt.

O político comentou o acordo de paz assinado pelos movimentos rivais palestinos Fatah e Hamas, que estão governando em Gaza e na margem ocidental do Jordão, a possível solução do conflito no país que dura já dez anos e o restabelecimento da integralidade do sistema político palestino.

"Todas as partes estão de acordo que a Administração Palestina deve ter a oportunidade de assumir a plena responsabilidade pela esfera civil e as questões da segurança em Gaza e que estamos trabalhando juntos para melhorar a situação humanitária dos palestinos", lê-se no documento.

"Os EUA afirmam mais uma vez: qualquer governo palestino deve declarar inequivocamente e de forma clara que renuncia à violência e reconhece Israel, os acordos anteriores e os compromissos entre as partes, incluindo o desarmamento dos terroristas e tem de manifestar o seu empenho em respeitar as negociações de paz", disse Greenblatt.

De acordo com ele, o Hamas deve aceitar essas exigências se quiser "desempenhar algum papel no governo palestino".

O Hamas e o Fatah, partido do presidente Abbas, romperam as relações em 2007 após uma eleição parlamentar ter dado a maioria ao primeiro grupo. Após isso, o Hamas expulsou o Fatah da Faixa de Gaza e, desde então, governa a região, mesmo com um embargo imposto por Israel e com a oposição da União Europeia e dos Estados Unidos. Com informações do Sputnik News.