Sexta-feira - Manaus - 18 de setembro de 2020 - 23:19

MUNDO

Irã adverte Estados Unidos sobre 'erro estratégico', após ameaças de Trump

Washington e Teerã trocam acusações desde a saída unilateral dos Estados Unidos, em maio de 2018, do acordo internacional sobre o programa nuclear do Irã, assinado em 2015.

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 15 de setembro - 07:01

Trump tem trocado acusações contra o governo do Irã.

Foto: MANDEL NGAN / AFP

O Irã alertou os Estados Unidos, nesta terça-feira (15), sobre um "erro estratégico", em referência a ameaças feitas pelo presidente Donald Trump após reportagens na imprensa sobre um projeto iraniano para assassinar uma diplomata americana.

"Esperamos que eles não cometam um novo erro estratégico. Se fizerem isso, certamente enfrentarão uma resposta decisiva do Irã", alertou o porta-voz do governo, Ali Rabii, durante uma entrevista coletiva.

Washington e Teerã trocam acusações desde a saída unilateral dos Estados Unidos, em maio de 2018, do acordo internacional sobre o programa nuclear do Irã, assinado em 2015, uma retirada acompanhada pelo retorno de sanções contra o Irã. 

Desde então, os dois países estiveram duas vezes à beira do confronto direto. Primeiro em junho de 2019, quando o Irã derrubou um drone americano, que acusou de violar seu espaço aéreo, o que o governo dos Estados Unidos nega. 

Depois, em janeiro de 2020, quando o influente general iraniano Qasem Soleimani foi assassinado por um avião teleguiado americano em Bagdá por ordem de Donald Trump. 

De acordo com o site de notícias Politico, que cita duas fontes do governo americano sob anonimato, os serviços de inteligência acreditam que o governo iraniano está planejando assassinar a embaixadora dos Estados Unidos na África do Sul, Lana Marks, muito próxima a Donald Trump, para vingar a morte de Soleimani.

Um porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores afirmou que as informações são "falsas e sem fundamentos".

"São parte de métodos reiterados e podres para criar uma atmosfera anti-Irã no cenário internacional", disse.

FONTE: AFP