Terça-feira - Manaus - 16 de julho de 2019 - 08:01

MUNDO

Milhares de manifestantes nas ruas de Hong Kong apesar de recuo do governo

Os organizadores pretendem manter a pressão sobre Carrie Lam, chefe do Executivo pró-Pequim de Hong Kong, que no sábado suspendeu o projeto de lei autorizando as extradições para a China.

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 16 de junho - 09:06

Manifestantes saíram às ruas neste domingo.

Foto: AFP

Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas neste domingo, 16/6, em Hong Kong, onde o descontentamento era palpável depois de confrontos violentos entre manifestantes e policiais, apesar do recuo do governo sobre o polêmico projeto da lei de extradições.

Os organizadores pretendem manter a pressão sobre Carrie Lam, chefe do Executivo pró-Pequim de Hong Kong, que no sábado suspendeu o projeto de lei autorizando as extradições para a China.

"Retire a lei do mal!", gritavam os manifestantes vestidos de preto. A marcha de protesto partiu de um parque na ilha de Hong Kong e seguia para o Conselho Legislativo (LegCo, Parlamento), no coração da cidade. Trata-se do mesmo percurso realizado há uma semana e que reuniu um milhão de pessoas, de acordo com os organizadores.

Segundo seus críticos, o projeto colocaria a população da ex-colônia britânica à mercê do sistema judiciário da China continental, opaco e controlado pelo Partido Comunista. A comunidade empresarial teme ainda a possibilidade de a reforma prejudicar a imagem internacional e a atratividade do centro financeiro.

"A reação de Carrie Lam não foi sincera, é por isso que estou manifestando hoje", explicou Terence Shek, de 39 anos, que veio com seus filhos.

Na quarta-feira, Hong Kong registrou os piores episódios de violência desde a devolução do território à China em 1997, quando milhares de pessoas foram dispersadas pela polícia de choque com gás lacrimogêneo e balas de borracha.

"Polícia de Hong Kong, o seu dever é nos proteger, não atirar contra nós", dizia o cartaz de um manifestante.