Terça-feira - Manaus - 22 de setembro de 2020 - 00:06

MANAUS-AM

Novo espaço de acolhimento para crianças e adolescentes é inaugurado em Manaus

O local oferece acolhimento para crianças e adolescentes de 0 a 18 anos incompletos, vítimas de direitos violados, como maus-tratos, negligência, abandono, violência física, psicológica e sexual

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 9 de setembro - 07:30

O novo espaço conta com aproximadamente 4.500 metros quadrados e dez dormitórios

Foto: Semcom

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, e a primeira-dama e presidente do Fundo Manaus Solidária, Elisabeth Valeiko Ribeiro, inauguraram nesta terça-feira, 8/9, o novo espaço do Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes sob medida protetiva (Saica), que é coordenado pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc). O local oferece acolhimento para crianças e adolescentes de 0 a 18 anos incompletos, vítimas de direitos violados, como maus-tratos, negligência, abandono, violência física, psicológica e sexual.

“Fico muito tocado com a inauguração desse espaço, que tem toda uma infraestrutura para dar melhor qualidade de vida a essas crianças. Não há nada mais ultrajante do que alguém que maltrata crianças e idosos. Temos que construir uma mentalidade para criar amor pelos outros. Esse espaço pode ser uma gota d’água num oceano, para mudar o mundo, mas que aqui funcione bem, que funcione com amor”, disse emocionado Arthur Neto.

O novo espaço conta com aproximadamente 4.500 metros quadrados, dez dormitórios (feminino e masculino) quartos, sala, cozinha, banheiros, campo de futebol, piscina, playground, com área ampla e adequada ao atendimento e superação da violação de direitos sofrida por essas crianças e adolescentes, realizando orientação, encaminhamentos, escuta qualificada e atendimento especializado.

Nele, crianças e adolescentes retirados da exposição do perigo ou com vínculos familiares rompidos terão ambiente humanizado, estando a salvo de novas práticas de qualquer violação de direitos ou violência. 

“O novo Saica foi todo pensado para dar carinho a essas crianças e adolescentes. Por trás de cada espaço, de cada ação, há muito amor”, destacou a primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro, que é arquiteta e participou ativamente do projeto do novo Saica. Ela aproveitou a inauguração para visitar a horta implantada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas). “Aqui eles irão aprender que, na vida, a gente colhe o que a gente planta. Irão aprender sobre saúde, e mais, aprender a construir sonhos”, finalizou.

Também participaram da solenidade, a desembargadora Joana Meirelles, coordenadora da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM); as promotoras de Justiça Vânia Marinho e Nilda Silva; a secretária da Semasc, Suzy Anne Zózimo; entre outros representantes da Prefeitura de Manaus.

Atualmente, 13 crianças e adolescentes encontram-se acolhidas no espaço, contando com todo apoio e atendimento previsto pela Política Nacional de Assistência Social, para que possam ser dados os encaminhamentos necessários quanto à superação da violência e retorno ao seio familiar, tendo em vista que o acolhimento institucional é a última alternativa a ser adotada em casos de violência.

“É um marco, pois esse espaço está preparado ao ponto de corresponder ao que nós almejamos, crianças que chegam vítimas de maus-tratos e de abandono e, agora, têm um lugar digno. A prefeitura está de parabéns por estar dando cumprimento à política pública de proteger as nossas crianças e adolescentes”, disse Joana Meirelles.

O novo Saica contou, ainda, com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), que forneceu camas, colchões, redes, kits de higiene masculino e feminino, kits de cozinha. “O local está extremamente bem equipado, para garantir proteção às crianças e adolescentes. Estamos muito contentes em fazer essa parceria com a Prefeitura de Manaus e contribuindo para ajudar a salvar vidas”, disse a oficial de campo da ACNUR, Catalina Sampaio.

Canais de denúncia

Em caso de violação de direitos de crianças e adolescentes, a rede de proteção possui três canais de comunicação para quem sofrer ou conhecer qualquer situação que esteja sendo praticada: Disque Direitos Humanos (0800 092 6644), Disque Denúncia (0800 092 1407) e Disque Direitos Humanos Nacional (100).