Segunda-feira - Manaus - 18 de novembro de 2019 - 05:12

MANAUS-AM

PC-AM incinera mais de uma tonelada e meia de drogas, apreendidas nos últimos três meses

Foram incineradas 1.750 quilos de entorpecentes, entre maconha e cocaína, além de 242 comprimidos de drogas sintéticas

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 11 de outubro - 16:11

As drogas eram provenientes dos resultados de ações policiais deflagradas na capital e no interior.

Foto: Divulgação

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da Divisão de Recebimento, Análise e Distribuição de Inquéritos e Termos Circunstanciados de Ocorrência e de Armazenamento de Material Apreendido (Drad), realizou na manhã desta sexta-feira, 11/10, a incineração de 1.750 quilos de entorpecentes, entre maconha e cocaína, além de 242 comprimidos de drogas sintéticas, apreendidos ao longo de ações policiais realizadas no período de julho a setembro deste ano, pelas instituições que compõem a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). 

O processo químico foi coordenado pela delegada Leila Silva, diretora da Drad, e contou com o apoio de policiais civis lotados no Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera) e no Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc). A ação teve início por volta das 9h, nas instalações da empresa Eternal-Indústria, Comércio, Serviços e Tratamento de Resíduos da Amazônia, situada na rua Francesa, nº 1, na segunda etapa do bairro Distrito Industrial, zona leste da capital.

“As drogas incineradas na manhã de hoje representam a somatória de três meses de apreensões, realizadas na capital, durante ações deflagradas por todos os órgãos que compõem a SSP-AM. A realização deste procedimento ocorreu após liberação judicial.  Contamos com o apoio, fundamental do Grupo Fera e Denarc para o transporte do material ilícito”, esclareceu Leila Silva. 

Incineração anterior

Conforme a diretora da Drad, a última incineração foi realizada no dia 5 de julho deste ano, sendo, na ocasião, incineradas três toneladas de drogas, entre maconha e cocaína, avaliadas em R$ 19,5 milhões. As drogas eram provenientes dos resultados de ações policiais deflagradas na capital e no interior.