Domingo - Manaus - 8 de dezembro de 2019 - 15:46

MANAUS-AM

Primeiro centro integrado receberá alunos no ano letivo de 2020

De acordo com o prefeito Arthur Neto, já no início de 2020 o Cime estará integrada à rede municipal de ensino. Primeira unidade está localizada no Distrito Industrial 2

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 2 de dezembro - 16:16

Cada unidade atenderá, aproximadamente, 400 crianças. 

Foto: Divulgação

O primeiro dos quatro Centros Integrados Municipais de Educação (Cimes), que está sendo construído no Distrito Industrial 2, já está com a obra em fase final e será incorporado à rede municipal de ensino ainda no início do ano letivo de 2020. Nesta segunda-feira, 2/12, o prefeito Arthur Virgílio Neto esteve vistoriando os serviços no local e disse que a expectativa é que a unidade seja inaugurada até o final deste ano, marcando uma nova etapa na educação em Manaus.

“Em matéria de estrutura, não conheço nenhuma escola de Manaus que tenha a oferecer o que nós vamos oferecer à população. Já estamos com 92% da obra concluída. Cada unidade do Cime –  uma de educação infantil e outra de ensino fundamental –  tem 12 salas de aula, amplas unidades administrativas, área para brincar, quadras poliesportivas e solários”, destacou o prefeito. Ele também anunciou que espaço receberá o nome de Josefina Rosa de Castro. “Fico até emocionado, porque nos melhores sonhos a gente imaginava que isso poderia acontecer para a classe média e nunca para as classes mais populares da cidade”, completou.

Ainda de acordo com Arthur Neto, a obra deve ser entregue no final de dezembro e já no início de 2020 estará integrada à rede municipal de ensino. Cada unidade atenderá, aproximadamente, 400 crianças. A prefeitura também entra com a contrapartida de sete creches. “Nós passamos a fase da revolução pedagógica, onde subimos nos indicadores nacionais, e estamos chegando na revolução da infraestrutura”, disse o prefeito.

Além do Cime do Distrito Industrial, a Prefeitura de Manaus também está construído outros três Cimes em áreas consideradas periféricas e de baixo poder econômico: Lago Azul, na zona Norte; comunidade Gilberto Mestrinho e Jorge Teixeira, ambos na zona Leste.