Domingo - Manaus - 15 de setembro de 2019 - 22:16

MANAUS-AM

Setembro Amarelo: ações acontecem no AM para conscientizar população

Especialistas acreditam que o tema precisa ser tratado mais abertamente no dia a dia da população brasileira.

THIAGO FERNANDO

Publicado em 2 de setembro - 16:10

Programação com videoconferências, palestras e rodas de conversas acontecem durante todo mês.

Foto: Divulgação

Lançada em 2015, o "Setembro Amarelo" tem como seu marco o próximo dia 10, quando é lembrado o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio. Criada pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), em parceria com conselhos nacionais como o Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a campanha vem ganhando notoriedade na sociedade, todavia, para muitos envolvidos, o tema precisa ser tratado mais abertamente no dia a dia da população brasileira.

De acordo com dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2018, quase 800 mil pessoas em todo o mundo cometem suicídio. O número assusta, já que representa a segunda maior causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos de idade. A cada 40 segundos, uma pessoa se suicida no planeta. De acordo com o organismo internacional, todos os países, sejam eles ricos ou pobres, registram casos de suicídio. O envenenamento por pesticida é o método usado em 20% de todas as mortes. Outros meios comuns são o enforcamento e o uso de arma de fogo.

Para a psicóloga Aline Felix, apesar de ser um assunto delicado, é fundamental que o suicídio seja discutido e que ocorra a quebra do tabu estabelecido durante os anos.
“É importante falar e demonstrar, através de várias atividades, esse problema. Hoje, vemos que essa prevenção é fundamental para diminuir os casos. O importante é ter essa comunicação. Acredito que muita gente ainda não considera a depressão como doença. Ela é uma doença patologia e que vem aumentando. Mas a população ainda não sabe como identificar e como ajudar no tratamento. O tema deveria ser mais debatido na sociedade como um todo”, argumentou Aline, que ainda informou que 9 a cada 10 suicídios podem ser evitados pela prevenção. 

“O caminho principal é quebrar tabus, incentivar o dialogo. As campanhas podem ajudar a mudar essa realidade. Sabemos que hoje, esse índice grande de suicídios é causado pela falta da identificação dessa doença. Quem se mata, na verdade, está querendo se livrar de uma dor e sofrimento que lhe parece insuportável. É prejudicial não falar sobre. Se esconder e isolar é uma das características do doente. É preciso falar e dialogar para ajudar. Esses pacientes devem ser ouvidos de forma acolhedora”, citou a psicóloga.

Segundo o CVV, dentre os principais transtornos observados nas pessoas que cometem ou tentam cometer o suicídio, destacam-se a depressão na forma simples, a depressão na formabipolar, a dependência química e a esquizofrenia. Porém, outros gatilhos também já foram identificados como fim de relacionamentos, perda de pessoas queridas, abusos ou mesmo crises financeiras. O suicídio também é comum em pessoas que sofrem discriminação, como refugiados, imigrantes, gays, lésbicas, transgêneros e intersexuais.

No Amazonas

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou que de 2016 a 2018 foram registrados 628 suicídios no Amazonas, segundo dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS). Sendo que a maioria dos casos aconteceram em Manaus, São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga.

Para combater esse mal que aflige a sociedade, a secretaria irá realizar oficinas de qualificação para profissionais dos setores de saúde, assistência, justiça, segurança, educação, movimentos sociais indígenas e não indígenas. 

Além disso, palestras e rodas de conversa serão realizadas em cinco unidades de saúde da capital, entre policlínicas e Caics. Já as videoconferências, segundo a Susam, serão realizadas em todos as escolas da rede estadual do Amazonas. 

Caic Ana Braga
Painéis interativos no salão;
Roda de conversa semanal com psicólogos, enfermeiras e assistentes;
Distribuição de textos sobre o tema.

Caic Moura Tapajós
Dias 4 e 12 - Palestra Educativa com equipe de Estágio Psicossocial CAIC MT, sob supervisão do Serviço Social;

Dias 20, 26 e 30 - Panfletagem, palestra educativa e roda de conversa com servidores.

Policlínica Danilo Corrêa
Dia 18 às 09h - Palestra com a professora e enfermeira Katia Lemos e alunos, além da psicóloga Francilane Mendes;

Dia 18 às 15h - Palestra com as psicólogas Ione Santos e Francilane Mendes;

Dia 19 às 9h - Palestra com a professora Edna e alunos, além da psicóloga Francilane Mendes;

Dia 19 às 15h - Palestra com a psicóloga Ione Santos.

Policlínica José Lins

Palestras em três escolas do bairro Redenção.

Policlínica Zeno Lanzini
Dia 18 - Roda de conversa "Depressão e o Panorama do Suicídio no Amazonas" "Antes de cuidar do outro preciso cuidar de mim"; Leitura de textos e poesias para o enfrentamento do suicídio; Zumba Amarelo-Falar e dançar, é a melhor solução;

Dia 20 - Roda de conversa sobre depressão e suicídio.

Teleconferências
Dia 03 - Prevenção do suicídio nas escolas: identificação, manejo e encaminhamento
Palestrante: psicóloga Luziane Costa (Unip)

Dia 11 - Suicídio: uma epidemia silenciosa e silenciada
Palestrante: psicóloga Horleans Pereira (NAVIMA)

Dia 18 - Automutilação e Ideação Suicida
Palestrante: psicóloga Silvana Nascimento (CRDQ)
Dia 25 -Suicídio de idosos e relações familiares: Impactos na saúde mental
Palestrante: psicóloga Denise Gutierrez (Ufam)